Arquivo | Abril, 2010

I put a spell on you

30 Abr

O som do silêncio

29 Abr
” (…) And in the naked light I saw
Ten thousand people, maybe more.
People talking without speaking,
People hearing without listening,
People writing songs that voices never share
And no one dared
Disturb the sound of silence.

“Fools” said I, “You do not know”
Silence like a cancer grows.
Hear my words that I might teach you,
Take my arms that I might reach you.”
But my words like silent raindrops fell,
And echoed
In the wells of silence (…)”

Germán Aczel conta a história dos Mundiais em desenho

28 Abr

por Maria Fernanda Pugliesi

Pelé e Jairzinho comemoram o gol do Brasil em 1970, no México.


Argentina campeã em 1978.


Zidane usa a cabeça e acerta em cheio Materazzi, na Copa de 2006.

As apostas para a Copa de 2010. O argentino Lionel Messi, o português Cristinao Ronaldo, o inglês Wayne Rooney, o francês Thierry Henry eo espanhol Fernando Torres.

Daqui.

O alfabeto do rock

28 Abr


Via a pattern a day.

Depois de uma quebra na rotina…

22 Abr


Daqui.

Camera Obscura no StudioSP

15 Abr

por Bárbara Bom Angelo

Mesmo com meus dois pés fincados na capital da Hungria, não pude deixar passar desapercebidas as notícias sobre o show do Camera Obscura. 

E acontece que o show não vai mais ser no CB Bar como divulgado anteriormente. Agora a casa da banda em sua turnê brasileira na cidade de São Paulo será o StudioSP. O dia continua o mesmo: 27 de maio.

Além do lugar ser ótimo, a boa é que o ingresso deve ficar em torno de R$ 25 (!). Sim, apenas modestas duas notas de dez e uma de cinco reais. Pena que ainda não há informações sobre a venda das entradas.

Ah, o problema com CB Bar parece ser a falta de alvará.

Bigodes em quadrinhos

14 Abr



Via Trabalho Sujo.

Pelo direito de sonhar

13 Abr

por Natália Albertoni

O Cine Bombril e a Folha de S. Paulo promovem hoje mais uma pré-estreia nacional gratuita. Nesta terça-feira (13), às 20h, acontece a exibição de Sonhos Roubados, novo longa de Sandra Werneck. O filme conta a história de Jéssica (Nanda Costa), Sabrina (Kika Farias) e Daiane (Amanda Diniz) que vivem em uma comunidade carioca e, eventualmente, se prostituem para satisfazer seus desejos de consumo.

A diretora já havia adentrado o universo da gravidez precoce para realizar o documentário Meninas, em 2006. O novo trabalho é resultado desta primeira pesquisa e de um mergulho na leitura de As Meninas da Esquina – Diário dos sonhos, dores e aventuras de seis adolescentes no Brasil, da jornalista Eliane Trindade.

Weneck defende que este não é um filme-denúncia, apesar de tocar em assuntos polêmicos como pedofilia, gravidez na adolescência e famílias disfuncionais. Para ela, a produção é um alerta, mas “também transporta você para um universo em que existe alegria, solidariedade, amizade”.

Trilha Sonora

Fabio Mondengo, Fael Mondengo e Marco Tommaso, que trabalharam juntos em Meu nome não é Johnny (Mauro Lima, 2008), são responsáveis pela trilha sonora que mistura ritmos brasileiros como funk, pagode, samba e chorinho.

O filme tem um funk inédito no estilo “batidão”, interpretado pelo MC Leozinho, uma canção do grupo de pagode Atitude 4 e a canção-título composta em parceria entre  João Nabuco, Antonio Villeroy e Eugenio Dale. O funk de boca é interpretado por Maria Gadú.

***

Vá lá:
Pré-estreia gratuita de Sonhos Roubados
Onde: Cine Bombril – av. Paulista, 2073, Bela Vista, SP
Quando: hoje (13), às 20h
Quanto: Grátis (retirar ingresso com uma hora de antecedência)

Can you google me?

13 Abr


Daqui.

Relatos de uma são paulina

12 Abr


Semifinal do Campeonato Paulista (São Paulo 2 x 3 Santos, no Morumbi)

por Maria Fernanda Pugliesi

São Paulo e Santos fizeram um jogo daqueles na primeira partida da Semifinal do Paulistão 2010. Infelizmente não pude participar da vibração nas arquibancadas do Morumbi, mas com certeza as janelas vizinhas ouviram os gritos alucinados de pai e filha.

A equipe tricolor entrou em campo, com a camiseta principal, para enfrentar os mais falados meninos da Vila, que jogaram um verdadeiro futebol arte nos últimos meses. Uma defesa forte contra um ataque rápido e criativo.

O duelo

O jogo começou com os dois times movimentando a bola, criando espaços, marcação forte e correria para propor alternativas dentro do campo, até que Neymar acertou belo passe para Léo Lima e o Júnior Cesar empurrou a bola para dentro. Presta atenção, segundo gol contra em três jogos, é demais, não?

O árbitro do jogo era Marcelo Rogério, um ‘level one’, principiante, que se meteu a besta de apitar um clássico desse. (Devia ter pegado a gripe do porco e assistido o jogo em casa.) Perdeu o controle da partida, os jogadores deitaram e rolaram e os cartões amarelos também. O cheiro de vermelho estava no ar, tanto que, aos 33 minutos, Marlos foi expulso. Confesso, para a alegria dos sádicos adversários, que as minhas lágrimas caíram neste momento, o coração ficou apertado.

Com o jogo mais aberto, o Santos criou boa oportunidade com Neymar pela lateral esquerda e André marcou de cabeça o segundo gol. O segundo tempo começou com mudança no time da casa: Cicinho no lugar de Wasginton, boa sacada de Ricardo Gomes, que deixou a saída de bola mais rápida e continuou com um meio de campo compacto. Hernanes, como há muito tempo não fazia, chamou o jogo pra ele e aos 7 minutos acertou uma bola traiçoeira no canto esquerdo do gol de Felipe.

O time santista estava perdido dentro de campo. Nem mesmo Robinho, que na última entrevista coletiva afirmou que nunca havia jogado em um time tão bom quanto o Santos (Oi? Seleção Brasileira? Real Madrid?), sabia o que fazer. Assim começou a reação tricolor. Cicinho acertou ótimo cruzamento na cabeça de Dagoberto que converteu e empatou a partida, aos 21 minutos.

A alegria durou 23 minutos. Durval cabeceou para dentro do gol de Rogério Ceni, aos 44 do segundo tempo e sacramentou a vitória do Peixe. Mas eu ainda coloco fé!  Jogou com muita dignidade o meu time. Vislumbro como possível a vitória na Vila Belmiro, apesar de difícil. Agora é esperar o próximo domingo, dia 18, e ver mais um grande clássico para os fanáticos por futebol.