Arquivo | Maio, 2010

E o óleo matou o Bob Esponja

31 Maio

Ilustração de Mike Mitchell

Time of the assassins

31 Maio

Quero mais Camera Obscura

28 Maio

“James, he came to my place
He said he had to see my face
He hopes that we can still be friends
In his own way, he’ll love me til the end”

25 reais e uma noite perfeita com Camera Obscura

28 Maio

Camera Obscura em seu segundo show no Studio SP, na noite dessa quinta-feira

por Bárbara Bom Angelo

R$ 25. Míseras 25 notinhas para ficar um hora e meia com um sorriso no rosto que promete durar uns bons dias. O Camera Obscura veio assim de mansinho. Ninguém, pelo menos não eu, esperava que pudessem de repente ter algum show marcado nessas terras tão pouco navegadas por bandas estrangeiras de som bacana. Tiveram. E não só um, três. Dois deles aqui em São Paulo, no Studio SP. Me fiz presente no segundo e fui feliz. O corpo então, nem se fale. Ficou num vai e vem gostoso, embalado por French Navy, Honey in the Sun, Sweetest Thing, Lloyd I’m Ready To Be Heartbroken, Let’s Get Out of this Country, Teenager, a perfeita James… No fim, os pés se aquietaram para permitir que o arrepiante solo de trompete, que seguiu Razzle Dazzle Rose, fizesse sua marca em mim. Voltei pra casa com aquela sensação boa de expectativa superada.

(O vídeo abaixo está com uma qualidade que o Camera Obscura não merece. Fazer o que se o Iphone era a coisa mais fácil ao alcance da mão?)

E o Phoenix vem para o Planeta Terra

27 Maio

por Bárbara Bom Angelo

O Lúcio Ribeiro, do Popload, acabou de postar que o Phoenix vem ao Brasil para tocar no Planeta Terra, festival que acontece no Playcenter no dia 20 de novembro. Bacana, não?! Nada a reclamar desse ano cheio de bons shows.

E ontem o mesmo Lúcio Ribeiro tinha avisado que Belle & Sebastian também viria para o Planeta Terra. Não virá. Não para esse festival. Mas virá ao Brasil (!), ainda sem mais informações.

Depois dizem que criança não sabe de nada

27 Maio

Flores, frutas e Cat Power

27 Maio

Cat Power no Bourbon Street

por Bárbara Bom Angelo

Foi daqueles shows para ouvir de olhos fechados. Com um pé ali e outro em um mundo de garanhões prateados que passeavam perto de um mar de amor. Sempre linda, de cabelo solto ou preso num coque magro no alto da cabeça, Cat Power subiu ao palco do Bourbon Street, em São Paulo, e deixou todos hipnotizados.

O silêncio foi fácil, quase imediato, quebrado apenas por alguns poucos pedidos de música, gritos de encanto e sussurros que acompanhavam as palavras que saiam de sua boca. As melhores canções surgiram. Metal Heart, The Greatest e as versões de Fortunate Son, Lost Someone, Sea of Love, Silver Stallion, Satisfaction, I Don’t Blame You. Entre elas, sorrisos soltos e algumas declarações de amor ao “nosso país”, como deixou claro Chan.

E no fim, depois de uma corridinha atrás do palco, eis que a moça de franjinha apareceu com uma cesta de frutas e flores. A flor não chegou perto de mim, mas uma uvinha roxa achou seu caminho até meus pés e voltou pra casa comigo.

*(Mais tarde coloco um videozinho tremido, mas gostoso de escutar)