Um Dia, o livro mais bonito da cidade

17 Jun

 

por Bárbara Bom Angelo

Os mais desatentos vão passar por Um Dia, de David Nicholls, e achar que se trata de um livro de mulherzinha, no pior sentido que dão a esta palavra. Talvez uma história água com açúcar, cheia de clichês, quem sabe vampiros. Por que não? Estão tão em alta.

Sei disso porque despejei sobre a capa do livro todos os meus preconceitos. E olha que eu já tinha lido inúmeras resenhas positivas sobre ele. Mas quando me encontrei frente a frente com a obra de Nicholls achei que tinha me enganado.E não sei nem explicar o porquê. Acho que esperava algo mais low profile, uma capa um pouco mais enigmática. Enfim, preconceitos e mais preconceitos.

Bom, nem preciso dizer que mordi a língua com muito gosto. E logo no começo. Foi abrir o livro e me deparar com milhares de indicações, das melhores que se pode ter, e comecei a pensar que tinha mais ali do que a embalagem sugeria. A frase que mais chamou a minha atenção foi a do também escritor e britânico Nick Hornby.

Nick Hornby é Deus para mim. Absolutamente amo todos os seus livros, roteiros, composições… E se ele dizia que aquele livro era cativante, inteligente e espirituoso, eu precisava pelo menos dar uma espiada. Enfim, Um Dia é delicioso. Li em menos de uma semana o livro que conta em pílulas a história de Dexter e Emma.

Todo ano no mesmo dia, 15 de julho, somos impelidos a descobrir como estão esses dois amigos, que depois de dormirem juntos no dia da formatura constroem uma relação complexa e sincera.

E nada de assuntos pesados, ler as páginas escritas por Nicholls é uma experiência de observação, de como aqueles personagens crescem ao longo dos anos, como eles se afundam em dúvidas, depressão e drogas. De como eles se distanciam do futuro que traçaram para depois encontrá-lo na esquina, totalmente alterado ou incrivelmente idêntico.

O autor tem uma narrativa sincera, direta, irônica, bem humorada, cheia de referências musicais, livros clássicos – o que lembra, e muito, o estilo de Nick Hornby. Em alguns momentos de Dexter é impossível não se lembrar de Will, personagem central de Um Grande Garoto, que foi interpretado no cinema por Hugh Grant.

Esbocei muitas resenhas como esta, mas agora no fim percebi que bastava dizer pouco, uma frase, quase uma indicação como as tantas outras que dominam o livro: é uma das melhores coisas que já li. Estou com um aperto no peito por ele ter acabado. É normal ficar tão dependente de um livro assim? Deveria ter vencido cada frase a conta gotas para ele durar mais.

***

ah, Um Dia já virou filme, mas estreia só em agosto. Veja o trailer abaixo:

6 Respostas to “Um Dia, o livro mais bonito da cidade”

  1. Heloiza Junho, 17, 2011 às 5:04 pm #

    É realmente perfeito. Eu amei.🙂
    E você disse tudo: “É normal ficar tão dependente de um livro assim? Deveria ter vencido cada frase a conta gotas para ele durar mais.” (2 membros).

    bjs!

    • Bárbara Bom Angelo Junho, 17, 2011 às 5:53 pm #

      Bom ver que alguém é tão louca como eu Heloiza!
      um beijo grande.

  2. Ana Flávia Amorim Abril, 26, 2012 às 3:15 pm #

    Meu Deus, ainda bem que achei pessoas que também se fascinaram por “Um Dia”. Ele é simplesmente incrível, uma das melhores coisas que se foi inventada, me senti como algo introduzido dentro da vida de Dex e Em. David Nicholls é espetacular. No começo não dei nada pelo livro ele foi comprado pela paixão da minha irmã pela leitura, mais a capa me instigou e lendo tantas opiniões de pessoas tão incríveis comecei a ler e me encantei, todos da minha escola queriam saber do que se tratava. Eu vi o filme e fiquei mais apaixonada ainda. É incrível, mais essa sua frase descreveu exatamente o que eu senti quando terminei essa história deliciosa de Dexter e Emma: “É normal ficar tão dependente de um livro assim? Deveria ter vencido cada frase a conta gotas para ele durar mais.”
    Aproveitando, a sua matéria sobre o livro é excelente. Parabéns.

    • Bárbara Bom Angelo Abril, 26, 2012 às 3:26 pm #

      Muito obrigada, Ana Flávia.
      Acho que fica bem fácil escrever sobre um livro tão gostoso.
      Agora, te desejo sorte para achar a próxima leitura, pq tive dificuldade de me apaixonar por outro livro na sequência🙂

  3. Bruna Dezembro, 28, 2012 às 3:48 pm #

    O personagem central realmente lembra Hugh Grant no filme Um grande Garoto. haha

  4. Clara Sartori Setembro, 25, 2013 às 5:10 pm #

    É, simplesmente, o melhor livro que já li na minha vida, e não li poucos! Não há mais o que dizer. É isso. Perfeito.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: