Arquivo | Dicas RSS feed for this section

Não é mais um blog de moda

11 Out

por Natália Albertoni

Depois de uma longa pausa nas atualizações do Verdades, trago aqui um assunto que não é tão familiar para nossos leitores: moda. Como já sugere o título, a ideia aqui não é ser mais um espaço dedicado aos looks do dia, mas a abrir o diálogo e mostrar, sim, o que nos encanta neste universo tão singular.

Nesta nova empreitada, contamos com Fernanda Palamone, que de longe, na sua morada na Suíça, deve colaborar com dicas, insights e previsões relacionadas a esta área que é sua paixão particular.

Para começar, um flash review da semana de moda Spring/Summer 2013 de Paris:

Alexander McQueen

Bordados impecáveis, texturas, muitas armações. Uma mistura de doçura e força.

Coleção ready to wear assinada por Sarah Burton. Foto: My Daily UK

Chanel

Nada de correntes, só pérolas desta vez. Simplicidade, mais cor e volumes. Na passarela, os cataventos chamam atenção para energia sustentável.

O Grand Palais serviu de passarela para as criações fluidas de Karl Lagerfeld Foto: The Sartorialist

Assessórios gigantes foram o contraponto da coleção delicada e serena  Foto: The Sartorialist

Dior

Primeira coleção ready to wear de Raf Simons marca a nova era da marca. As tradicionais saias volumosas e florais bastante feminina estiveram presentes, mas foram os vestidos mini e terninhos pretos de corte perfeito os grandes destaques.

As peças remetem ao conceito de liberdade feminina da primeira coleção de Christian Dior, em 1947 Foto: My Daily UK

O ready to wear de Simons deu continuidade ao sucesso do debut de sua coleção de couture Foto: My Daily UK

Louis Vuitton

Marc Jabos sempre surpreende. Desta vez, duplas de modelos desceram em blocos de escadas rolantes para atravessar a passarela. A presença do xadrez quadriculado grande revela a inspiração na famosa estampa Louis Vuitton Damier Canvas. Looks sessentinhas misturaram amarelo, branco, preto e marrom.

Laçarotes arrematam os looks delicados da Vuitton Foto: My Daily UK

Quadriculados giga confundem-se com o tabuleiro de xadrez em forma de catwalk Foto: My Daily UK

Curtos e longos com perfume dos anos 60 Foto: My Daily UK

Viagem de trem com Mumford & Sons, Edward Sharpe & the Magnetic Zeros e Old Crow Medicine Show

4 Jul

 

 

por Bárbara Bom Angelo

Foi preciso esperar quase 4 meses para poder assistir ao documentário Big Easy Express, dirigido por Emmett Malloy, que acompanhou a turnê de pouco mais de uma semana das bandas Mumford & Sons, Edward Sharpe & the Magnetic Zeros e Old Crow Medicine Show. A trupe foi de Oakland até New Orleans de trem. Lembra que falamos do filme aqui?

Desde a semana passada ele está disponível para download no Itunes, inclusive na loja brasileira (oba!). E ontem meu programa de ontem foi esse: sentar em frente ao computador pronta para ser conquistada durante 1 hora 6 minutos e 51 segundos.

E quando chegou ao fim, a sensação não podia ser melhor. Imagens maravilhosas, músicas perfeitas, sentimento lindo de união e respeito entre as bandas. Todos se divertindo no palco muito mais do que os fãs que puderam acompanhá-los.

Vontade absurda de poder assistir essas três bandas juntas (alô, festivais do meu Brasil) e, mais ainda, de fazer uma viagem dessas pelos Estados Unidos.

 

Fotos de Julie Ling

Miranda July na School of Life

7 Nov


por Bárbara Bom Angelo

Lembra da Escola da Vida, do amado Alain de Botton? Pois é, no dia 23 de outubro, Miranda July passou por lá para dar uma palestra sobre como lidar com estranhos. Incrível, as always.

Via Daniel Gasparetti

O amor é uma playlist infinita

4 Ago

por Bárbara Bom Angelo

Amor sem música é um amor chato. O bom é aquele carregado de letras de canções enviadas por e-mail, em cartinhas ou mensagens no meio de uma madrugada. De faixas que te remetem para o momento exato em que percebeu que não queria mais ter aquela pessoa longe. De melodias que os dois murmuram juntos enquanto o carro segue pela estrada.

Rob Sheffield, crítico musical e colunista da Rolling Stone, sabe muito bem disso. Tanto que resolveu contar a sua história e a do seu amor por Renée Crist a partir de 22 mix tapes e assim acabou criando o livro Love is a Mix Tape: Life and Loss, One Song at a Time – que foi lançado em 2007 e logo se tornou um best-seller.

Renée não era apenas o amor da sua vida. Foi ela quem o incentivou a viver, quem o tirou do mundo fechado onde se escondia. Ele era tímido. Gostava apenas de imaginar as coisas, não precisava colocá-las em prática. Renée não pensava, fazia. E tudo ao mesmo tempo. O que os ligava era a paixão pela música, mesmo que não concordassem com alguns sons – The Smiths, por exemplo. Ela os odiava.

Renée morreu em 1997. Teve uma embolia pulmonar e se foi de repente, deixando fitas, textos e fotos espalhadas. Sheffield encontrou a sanidade ao entrar em contato com o que ela tinha largado para trás e, principalmente, com as músicas que moldaram a história dos dois desde 1989.

Prova de que todo grande amor pode ser guardado aos poucos em playlists infinitas.

* Faz quatro anos que o livro foi publicado nos Estados Unidos, mas nada de lançarem uma versão em português. O melhor jeito de comprá-lo é pela Amazon, já que nas livrarias nacionais os exemplares estão sempre esgotados ou demoram meses para chegar. E em 2010, Sheffield lançou Talking to Girls about Duran Duran. Direto para a lista de desejos.

Uma dica para os que se distraem facilmente

28 Jul

por Bárbara Bom Angelo

A diretora Miranda July fez o curta acima para divulgar o lançamento do seu novo filme, The Future, que estreia amanhã nos Estados Unidos.
Dica preciosa, ainda mais para alguém que entra em férias a partir desta segunda-feira.

Você ama Alta Fidelidade? Então vai amar esse tumblr

27 Jul

por Bárbara Bom Angelo

Como são as coincidências não é? Entre os livros novos que estão na minha pilha interminável, voltei a ler Alta Fidelidade, do muso Nick Hornby. Daí que estava fuçando no site da PIX, como de costume, e encontrei a sugestão do tumblr Top 10 basf. Lá você encontra diversas mixtapes no melhor estilo de Rob Gordon, o eterno dono da loja de discos que amava fazer tops 5 de tudo na sua vida e era o personagem principal de Hornby.

E a “cara” das compilações é bacana demais – nada mais adequado do que reproduzir o shape das saudosas fitas cassete basf.

Não esqueça: amanhã tem Wallpeople em São Paulo

1 Jul

por Bárbara Bom Angelo

Lembra que falamos do Wallpeople aqui? Pois é, ele acontece nesse sábado, dia 2 de julho, no Centro Cultural Rio Verde, aqui em São Paulo.

Leve sua foto e cole no imenso mural colaborativo que vai enfeitar a cidade amanhã. O tema é felicidade. E aproveita para confirmar sua presença no evento que foi criado no Facebook.

Apareça:
Centro Cultural Rio Verde
Rua Belmiro Braga, 119, Pinheiros

Red Hot + Rio 2 já está disponível para download

29 Jun



por Bárbara Bom Angelo

Desde ontem, 28 de junho, a tão falada coletânea Red Hot + Rio 2 está disponível para download em mp3 de altíssima qualidade. E vale muito, muito, muito a pena e o investimento. Você pode sentir o gostinho com o vídeo acima do cover do Beirut para a canção Leãozinho.

Para quem está por fora, a Red Hot é uma organização não governamental que luta contra a AIDS no mundo todo por meio da música. Eles já gravaram 20 álbuns com mais de 400 artistas e arrecadaram 10 milhões de dólares.

O projeto da vez é o Rio 2, que é para lá de especial para nós brasileiros. Trata-se de um “tributo moderno ao movimento da Tropicália nos anos 60. E o álbum coloca luz nessa era politicamente carregada e que mudou a cultura do Brasil para sempre”, como define o próprio site, em tradução ultra livre.

Bom, voltando ao download… Eu escolhi a opção de arquivo digital deluxe com material bônus e paguei $15,99. O download foi ok. Não muito rápido, mas deu tudo certo. E agora posso me deliciar com as faixas abaixo, que estão divididas em dois CDs:

RED:

  1. Baby: Alice Smith + Aloe Blacc
  2. Tropicália (Mario C 2011 Remix): Beck + Seu Jorge
  3. Um Girassol da Cor do Seu Cabelo: Mia Doi Todd + José González
  4. Samba de Verão: QuadronT
  5. Boa Reza: Vanessa da Mata + Seu Jorge & Almaz
  6. Love I’ve Never Known: John Legend
  7. Nascimento (Rebirth) – Scene II: Aloe Blacc + Clara Moreno
  8. Ela (Ticklah Remix): Curumin
  9. Baby (Old Dirty Baby Dub Version): Aloe Blacc + Alice Smith
  10. Um Canto de Afoxé para o Bloco do Ilê: Superhuman Happiness + Cults
  11. Mistérios: Om’Mas Keith
  12. Aquele Abraço: Forró In The Dark + Brazilian Girls + Angelique Kidjo
  13. Canto de Iemanjá: Mia Doi Todd
  14. Terra (Prefuse 73 ‘3 Mellotrons In A Quiet Room’ Version): Caetano Veloso
  15. Nú Com A Minha Música: Marisa Monte + Devendra Banhart + Rodrigo Amarante
  16. Acabou Chorare: Bebel Gilberto
  17. Dreamworld: Marco de Canaveses: David Byrne + Caetano Veloso

HOT:

  1. O Leãozinho: Beirut
  2. Panis et Circensis: Tha Boogie
  3. Bat Macumba: of Montreal + Os Mutantes
  4. Tudo o Que Você Podia Ser: Phenomenal Handclap Band + Marcos Valle
  5. Banana: Madlib + Joyce Moreno Feat. Generation Match
  6. Freak Le Boom Boom: Marina Gasolina + Secousse
  7. Tropical Affair: Money Mark + Thalma de Freitas + João Parahyba
  8. Soy Loco Por Ti, América: Los Van Van + Carlinhos Brown
  9. Roda: Orquestra Contemporânea de Olinda + Emicida
  10. Berimbau: Mayra Andrade + Trio Mocotó
  11. It’s a Long Way: Apollo Nove + Céu + N.A.S.A.
  12. A Cidade: DJ Dolores + Eugene Hütz + Otto + Fred 04 + Isaar
  13. Ogodô, Ano 2000: Javelin + Tom Zé
  14. Águas de Março: Atom™ + Toshiyuki Yasuda Feat. Fernanda Takai + Moreno Veloso
  15. Show Me Love: Twin Danger
  16. Pistis Sophia: Rita Lee

Valsa pela diversidade | Flash mob na Parada Gay

22 Jun

Um Dia, o livro mais bonito da cidade

17 Jun

 

por Bárbara Bom Angelo

Os mais desatentos vão passar por Um Dia, de David Nicholls, e achar que se trata de um livro de mulherzinha, no pior sentido que dão a esta palavra. Talvez uma história água com açúcar, cheia de clichês, quem sabe vampiros. Por que não? Estão tão em alta.

Sei disso porque despejei sobre a capa do livro todos os meus preconceitos. E olha que eu já tinha lido inúmeras resenhas positivas sobre ele. Mas quando me encontrei frente a frente com a obra de Nicholls achei que tinha me enganado.E não sei nem explicar o porquê. Acho que esperava algo mais low profile, uma capa um pouco mais enigmática. Enfim, preconceitos e mais preconceitos.

Bom, nem preciso dizer que mordi a língua com muito gosto. E logo no começo. Foi abrir o livro e me deparar com milhares de indicações, das melhores que se pode ter, e comecei a pensar que tinha mais ali do que a embalagem sugeria. A frase que mais chamou a minha atenção foi a do também escritor e britânico Nick Hornby.

Nick Hornby é Deus para mim. Absolutamente amo todos os seus livros, roteiros, composições… E se ele dizia que aquele livro era cativante, inteligente e espirituoso, eu precisava pelo menos dar uma espiada. Enfim, Um Dia é delicioso. Li em menos de uma semana o livro que conta em pílulas a história de Dexter e Emma.

Todo ano no mesmo dia, 15 de julho, somos impelidos a descobrir como estão esses dois amigos, que depois de dormirem juntos no dia da formatura constroem uma relação complexa e sincera.

E nada de assuntos pesados, ler as páginas escritas por Nicholls é uma experiência de observação, de como aqueles personagens crescem ao longo dos anos, como eles se afundam em dúvidas, depressão e drogas. De como eles se distanciam do futuro que traçaram para depois encontrá-lo na esquina, totalmente alterado ou incrivelmente idêntico.

O autor tem uma narrativa sincera, direta, irônica, bem humorada, cheia de referências musicais, livros clássicos – o que lembra, e muito, o estilo de Nick Hornby. Em alguns momentos de Dexter é impossível não se lembrar de Will, personagem central de Um Grande Garoto, que foi interpretado no cinema por Hugh Grant.

Esbocei muitas resenhas como esta, mas agora no fim percebi que bastava dizer pouco, uma frase, quase uma indicação como as tantas outras que dominam o livro: é uma das melhores coisas que já li. Estou com um aperto no peito por ele ter acabado. É normal ficar tão dependente de um livro assim? Deveria ter vencido cada frase a conta gotas para ele durar mais.

***

ah, Um Dia já virou filme, mas estreia só em agosto. Veja o trailer abaixo: